sábado, 11 de junho de 2011

nAMORar


Todos somos sensíveis ao mundo exterior, uns mais e outros menos, o que nos faz ser o que somos. Percebemos tudo a nossa volta com os nossos sentidos e vivemos sensações por meio deles, mas há algo muito maior do que todos eles e nos faz perder a linha e confundi-los: o amor. O Pensador aproveita essa data tão emocionante e convida você a refletir um pouco sobre o amor e o namoro.

Quando somos crianças, temos outras “prioridades” e não vemos no sexo oposto alguma forma de atração e em alguns casos até mantemos certa distância. Isso é muito comum, pois em um ambiente de diversão, meninos e meninas muitas vezes têm brincadeiras e brinquedos que os separam e aproximam ainda mais os do mesmo sexo.

Os anos passam e crescemos, e junto a todo esse crescimento estrutural cresce também o mental. As brincadeiras que antes nos separavam passam ser substituídas por outras que começam a nos unir e o convívio se torna mais freqüente e normal, levando a uma relação mais forte se propagando ate a adolescência.

Aaaah, a adolescência! Os “aborrencentes” que estão com os hormônios à flor da pele começam a sentir o que antes nunca imaginariam que fossem sentir e aquele(a) garoto(a) começa a se destacar dentre muitos(as) e já é visto(a) com outros olhos. É justamente a adolescência, essa problemática fase da vida, que o namoro esta no auge das preferências das pessoas, e é uma etapa importante e necessária para o desenvolvimento do ser humano. É a atração pelo sexo oposto, acompanhada pelas mudanças físicas, psicológicas e sociais.

Depois desse grande passo que é a primeira palavra, o casal que começa a se relacionar de maneira mais séria começa a ver tudo de forma diferente, começa a mudar certas atitudes, o modo de pensar, a sua postura frente às situações, começa a enxergar prioridades, tudo para que o “processo de namorar” se encaminhe da melhor forma possível e que seja boa para ambos.

O namoro é uma preparação para o que virá no futuro para ambas as partes envolvidas. Nele nos entregamos, mostramos nossas qualidades e os nossos defeitos ficam muito mais expostos e ficamos mais seguros para extravasar nossas fraquezas. É o momento de experimentar novas sensações, entender certas decisões e saber a hora certa de se sacrificar pelo outro. Todas essas situações certamente ajudam a construir o caráter de uma pessoa.

O amor e o namoro não podem ser visto apenas como mais uma simples união que faz parte da vida social de uma pessoa. Percebemos que ele realmente começa quando sentimos que aquela pessoa nos completa e nos causa uns “reboliços” no estômago, como se cada encontro fosse o primeiro e último, um paradoxo realmente indescritível. Queremos transferir à pessoa amada toda felicidade que pudermos, fazer com que tudo seja inesquecível.

Tentamos viver nossa “realidade imaginária” e fazer das nossas vidas uma história direcionada para um lindo final feliz, vivendo cada emoção, sentindo cada palpitação dos nossos corações e dividindo os intensos e inúmeros suspiros acompanhados com o leve fechar dos olhos. O que é sentido só pode ser descrito por aqueles que amam e são amados, compartilhando o enorme amor que sentem de maneira única e especial.

Estamos em uma data bastante especial e aguardada por muitos durante todo o ano, o Dia dos namorados, uma data em que demonstramos o que sentimos para nossos amados. O conselho que eu dou é de não se limitar a datas comemorativas, pois quem realmente ama, deve demonstrar sempre e sempre. Diga palavras sinceras que venham do fundo da sua alma, olhe o/a amado(a) como se fosse uma obra de arte a ser analisada e sorria, transmitindo a sua felicidade, seguido com um forte e demorado abraço. Ame muito.

OBS: Dar presentes é sempre bom, mas não deve ser colocado como prioridade em uma data como essa. Demonstre tudo que você sente e finalize o dia com um bom e looongo beijo.

Feliz dia dos namorados! ^^

9 comentários:

Aquiman Costa disse...

"...olhe o/a amado(a) como se fosse uma obra de arte a ser analisada..."

Essa parte eu gostei! É asim que eu penso. :))))

Pedro - O conselheiro amoroso. Hhahahahaha. :P

Pedro Maciel disse...

Mas é assim que deve ser, meu caro! :D

Mas vamos com calma com o "Pedro - O conselheiro amoroso." hahahahaha
Não exagera! ^^

Samara Melo disse...

Muito linda essa sua reflexão sobre o dia dos namorados, pois essa data já estava se tornando um momento pra o excessivo consumismo só se preocupando com o que comprar e se esquecendo do verdadeiro sentido dessa data que é demonstrar todo amor que um sente pelo outro.
è isso....

Pedro Maciel disse...

Você está certa Samara. Os tempos são outros e tudo está sendo substituído pelo consumimo e a verdadeira razão esquecida. Devemos rever nossos conceitos.

Annanda Gabriela disse...

Sempre certo, hein?

Pedro Maciel disse...

Que nada, Annanda... ^^
Bondade sua! ^^
Tento ajudar, só isso. :D

DOMÍCIO disse...

Oi Pedro, boa análise sobre esse relacionamento inicial que naturalmente ocorre na vida das pessoas. No meu entender deve ser iniciado com o mais profundo respeito, de modo que não signifique apenas uma conquista, satisfação dos hormônios que nos jovens estão a flor da pele, mas que pode ressurgir nos menos jovens ou, ainda, desdobramento de uma sedução.Gostei também da sugestão da eternização do sentimento que independe de uma data comemorativa muito rendosa para quem vive e/ou enriquece do comércio.
Abraços.

Rebeca disse...

Parabéns querido !

" O que é sentido só pode ser descrito por aqueles que amam e são amados, compartilhando o enorme amor que sentem de maneira única e especial. "

Nada como amar e sermos amados ! :D

Pedro Maciel disse...

Não existe coisa melhor na vida do que ser amado, Rebeca. ;D