Informação a toda hora!

Loading...

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Voltei a pensar (minha mania de escrever)



Olá, faz mais de um ano que não escrevo nesse blog. De verdade, eu sempre tive vontade de retornar, mas a minha vida tomou um rumo tão diferente e turbulento que me impossibilitou de escrever. Geralmente eu sempre convido as pessoas para refletir, conhecer, entender sobre algo nos meus textos, mas nesse em questão vai ser diferente. Eu, O Pensador, convidarei vocês para conversar...
Mas conversar sobre o que? Sei lá! Estou aqui na frente do computador improvisando (assim é sempre bem melhor) e vendo o que pode sair de bom para mim e para vocês. Bom, há um ano, a minha vida mudou completamente. O cenário que eu vivia se inverteu de uma forma que até hoje eu não sei explicar e isso me arrebentou. Eu sempre estou com belo sorriso no rosto, estou sempre muito solícito e animado, mas não quer dizer que eu esteja bem (CLARO QUE NÃO!).
Eu sempre transcrevo as minhas emoções nas palavras... É tão prazeroso! E gosto sempre de falar da minha vida, que no caso até poderia se tornar um bom filme ou livro. Sério! Tantas aventuras, desventuras, obstáculos, romances, tragédias, dramas, tristezas, perdas... Minha vida.
Ela, que é a minha parceira e minha guia, é também meu algoz. Sinto que ela sente ciúme de mim e não gosta que eu seja feliz com mais ninguém. Ela é estranha, mas gosto de coisas estranhas, e pessoas estranhas também. A estranheza que vem das entranhas, que é da própria pessoa. Pessoas diferentes me atraem e me fazem querer sempre estar por perto. Gosto muito do que é diferente e, dizendo isso, lembre de uma frase “Tudo que é diferente é atraente e envolvente.” Concordo.
O que antes era prosa passou a ser poesia. Me dediquei a ser “poeta”. Qualquer um pode ser um grande poeta, basta ter sentimentos dentro do coração, sejam eles bons ou ruins. Escrever o que passa dentro de si é como se confessar para um pedaço de papel que se preenche de gotas de tinta até não suportar mais.
Vejamos: o que você tem feito da sua vida? Não pense que quero parecer um psicólogo, apesar de querer ser um profissionalmente, mas agora, é só pra saber... Parou pra pensar? Eu fiz muitas coisas que me orgulho, mas não me arrependo do que fiz. Mentira, me arrependo sim. Não direi aquela bobagem de “se eu pudesse voltar ao passado”, mas prefiro dizer “e se eu tivesse feito diferente?” as conseqüências certamente seriam diferentes e bem mais agradáveis.

Meus olhos estão doendo agora e meus dedos doem também... Preciso trocar os óculos e parar com essa mania de estalar os dedos. (Pausa)

...

Voltei. E voltei com um belo pedaço de bolo. Comer me fazer feliz, mas eu não engordo só de ruim que eu sou. Mas como eu sei que ninguém quer saber sobre as minhas gorduras, voltarei a falar sobre não sei o que.
Eu sei que falo/escrevo muito, então, por favor, não vá embora, juro que já está acabando. Eu sei, deve ser chato pra caramba... Eu tenho essa mania de sempre querer filosofar sobre as coisas (os que me conhecem, sabem disso), de transformar o abstrato em concreto e, assim, me perco nos pensamentos.
Estou feliz por voltar a pensar. Esse blog tem sido um parceiro e tanto para as reflexões do meu cotidiano e espero que ele seja novamente sempre bem seguido e prestigiado como sempre foi. Olhei aqui no número de visitas e já está próximo de 14.000! QUE FELICIDADE! É bom saber que o que você faz chama a atenção das pessoas. Fico feliz!
Bom, por hoje é isso. Só queria mesmo ter o prazer de reiniciar a escrita e postar algo para simbolizar o começo. Espero mesmo que me acompanhem.

Que a força esteja com vocês.

Pedro Maciel.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Agonia metafórica


O mundo nos ensina a viver, não é? Todos os acontecimentos que cruzam o nosso caminho, sejam eles leves ou extremamente bruscos, não estão se importando se nós estamos realmente preparados para um confronto direto. Devemos simplesmente estar preparados. Nunca estamos preparados e esse é o ponto que nos fazem cair. Trágico!
Neste momento tudo veio de uma só vez. Esses acontecimentos parecem querer me atingir de todas as formas. Sinto-me como o titã Atlas, que condenado por Zeus por se rebelar, tem eternamente em seus ombros o peso dos céus (no meu caso, o mundo), ou até ainda sinto que a gravidade é muito maior sobre mim do que os demais habitantes da Terra. Nesses momentos de sofrimento é que somos egoístas e nos sentimos os únicos em situações difíceis em todos os cantos. Eu me sinto assim. Estou egoísta.
Eu sou uma rocha, como o meu próprio nome diz, mas o que fez Moisés no denso deserto? Fez um milagre e tirou água das pedras, mas no meu caso não se trata de nenhum milagre e sim de encher o copo até transbordar. Uma hora cai. Sou como um palhaço que deve estar sempre feliz para entreter os espectadores que os aguardam ansiosamente para rirem das suas custas e que de modo algum devem ter problemas. Escondem debaixo de suas coloridas maquiagens as intensas dores que os perseguem. Eu sou um palhaço que nunca chora.
Sinto-me preso como um escravo que só pode sair de sua cela para trabalhar com o Sol incidindo sobre a sua cabeça e depois, quando a noite chega, retorna para a sua cama úmida e desconfortável para tentar repor a metade da sua energia para o batente do dia seguinte.
Há tempos que o deus Hipnos não me visita durante as noites e devido a isso meus olhos cansados, mesmo abertos, se acostumaram com a escuridão. Seu filho, Morfeu, sem a presença do seu pai, também não aparece para me levar em seus sonhos e me deixa preso nessa tão desgraçada realidade. Parece que milhões de sanguessugas absorvem, além do meu sangue, a minha energia, me deixando fraco. Fraco para tudo.
Nada é tão triste quanto a tristeza. Ficou bem claro? Espero que sim, pois esse é um sentimento que machuca e que se não resolvido, se torna eterno no interior das pessoas. Tão eterno e doloroso quanto o castigo do titã Prometeu, que roubando o fogo dos deuses para das aos homens, foi sentenciado a ter sempre o seu fígado comido por uma águia- que no outro dia crescia novamente. Doloroso....
Existem pântanos perigosíssimos dentro de cada um. Eles são algo que se não haver a devida força de vontade, te absorve facilmente, se alimentando das suas dores. Ainda me sinto preso até a cintura, pois ainda estou preso a uma corda que ainda me salva. Uma corda chamada fé. Sim, eu ainda acredito, mas ainda estou mal. Maaaaal...
Tenho um escudo invisível fortíssimo que impede as pessoas de me olharem nitidamente. Nunca estou triste. Quando me olhar por aí e me dirigir à palavra, um sorriso irá surgi em minha face e serei eu mesmo, com certeza. Te farei rir como ninguém e parecerei muito bem. Me desculpe por mentir, mas a vida me ensinou a ser um bom ator. Infelizmente.

Pedro Maciel.

domingo, 10 de julho de 2011

Azuis esverdeados


Falar sobre o que se sente é sempre muito difícil e não é para qualquer um. Não vou ser pretensioso me dizendo capaz de fazê-lo, mas com toda certeza direi o que sinto e como tudo balançou as minhas estruturas.

Gosto de falar da vida por simplesmente vivê-la e não há motivo maior para isso, e logo após ela, falo das pessoas que cruzam o meu caminho complicado e tortuoso. Sou um ser que observa, analisa e usa mais os olhos e ouvidos do que a boca para sempre adiantar os fatos e me preparar para encará-los, mas também adoro arriscar e sentir o gostinho da novidade e de não ter o controle das coisas. Foi isso que eu fiz. Nunca poderia imaginar que uma simples atitude impulsiva mudaria tanto os rumos da minha existência e agradeço muitas vezes por ter esse meu defeito (ou qualidade) nas minhas entranhas.

O amor transforma e nunca age da mesma maneira. É como se fosse uma bela e divertida brincadeira com um toque de seriedade, capaz de mexer de uma forma tão intensa que acaba acarretando incertezas junto à sensação de incrível bem estar. Eu sinto tudo isso nesse exato momento e confesso que é bom demais. Querer entender como o amor pensa e designa os fatos é uma grande perda de tempo, pois nunca saberemos como a “magia” funciona, só nos restando a melhor parte: Amar.

A dona dos cabelos loiros e olhos azuis esverdeados, que cruzou o meu caminho apenas uma vez, – literalmente falando – que fez meu músculo cardíaco acelerar tão intensamente, minhas pernas tremerem e meus pés se fundirem ao cimento da calçada, fez a minha vida ficar mais interessante a partir desse momento ímpar. Como se tudo ficasse em um silencio profundo e só se ouvisse seus passos sobre o aglomerado de poças d’água no asfalto e tudo estivesse em câmera lenta. Quem nunca sentiu isso na vida? Fazia tempo que EU não sentia.

Passo a minha vida toda querendo achar uma razão para ser útil, ajudando meus amigos e parentes, tentando estar presente quando sou solicitado em algum caso importante, mas sempre percebia que faltava algo para eu me sentir feliz e transmitir essa felicidade para outra pessoa. Uma única pessoa. E essa pessoa apareceu.

Parece que tudo muda de forma, o vento nos encontra de um jeito mais leve, o exterior não tem mais lá sua grande importância de antes. Tudo se foca em uma só pessoa e é ela que faz um simples encontro se tornar o mais esperado e faz também esse acontecimento ser memorável, único e especial.

A personalidade forte diz que virão desafios de todos os graus, mas que disse que eu quero facilidade? A vida nunca foi e jamais será fácil, pois ela sabe que obstáculos são feitos para serem superados e são eles que nos amadurecem e nos preparam para tudo. Mas eu penso e tenho certeza que farei tudo que estiver no meu alcance para que os problemas não cheguem a você, tentarei ser um escudo e te protegerei de tudo.

Eu gosto tanto de você. Possivelmente já deve ter percebido isso. Não sei como explicar, mas tudo que vem de você faz eu me sentir tão bem e tão leve. Todas essas sensações prazerosas e intensas que transmite para mim com uma facilidade impressionante são o que prendem o meu pensamento somente a você.

Meu coração está em suas mãos e quero que permaneça. Feche-as com toda a força que puder, pois não quero mais sair da sua vida, que já se tornou parte da minha. Minhas palavras são do fundo do coração e nelas estão toda a sinceridade do mundo.

Que bom que eu te encontrei, minha linda rainha. J

sábado, 2 de julho de 2011

Como conquistar uma mulher?


Há perguntas variadas que rodam a cabeça das pessoas e algumas delas causam uma “fervilhação” semelhante a uma panela de pressão, mas há uma que ocupa uma posição privilegiada na cabeça dos homens, por exemplo. O Pensador convida você a se divertir sobre como conquistar uma mulher.

Nós homens, a GRANDE maioria, temos uma GRANDE dificuldade de raciocínio quando de trata de mulheres e os métodos de conquista. Muitos por ai inventam modos não muito convincentes e acabam estragando todo o processo, levando posteriormente um belo “toco”. Vou direcionar esse texto para os homens, o que não impede que as mulheres analisem e constatem as nossas dificuldades. ^^

Para se sair bem em uma conquista, devemos saber o que realmente atrai a determinada mulher, fazer com que nossas qualidades sejam reforçadas e nossos defeitos, pelo menos de primeira, sejam jogados para debaixo do tapete. Nunca devemos esquecer que as mulheres gostam ou tem atração por status, dinheiro, força e inteligência, portanto fica a dica: você precisa de um pouco desses requisitos para ter SUCESSO!

O físico é sempre muito importante (o estado do corpo), mas não pesa muito quando de trata de sedução, pois o CHARME muda qualquer visão e a primeira impressão que se possa ter. Os que têm a beleza já fundida à carne são capazes de seduzir com muito mais facilidade e já estão com um passo à frente, já os não muito favorecidos têm que suar muito mais a camisa para chamar a atenção de outras formas. E de que formas são essas?

Antes de qualquer coisa precisa-se ter uma ótima reputação perante as pessoas, pois isso será uma “bagagem cheia” para conseguir interesse de alguém. Não há nada melhor do que ter muitos amigos que gostam e que sempre possam falar bem de você e enaltecer suas qualidades para a pretendente. Procure não ser brigão, ignorante ou tratar as pessoas de forma estúpida, isso nunca será algo positivo para que os olhos da pretendente se dirijam a você. Isso não é obvio?

Uma coisa bem interessante de se comentar é que algumas mulheres – as mais bonitas, para ser mais exato – que são sempre acostumadas a ter vários homens a seus pés, já vêem isso como uma coisa rotineira. Faça diferente, ignore-a quando passar por ela, não ria, finja que não ela não existe. Já é comprovado que algumas ficam extremamente confusas, não entendem a atitude inesperada e procuram saber o motivo, chamando a atenção. Vai saber o que se passa na cabeça delas...

Outra coisa muito importante é como você se põe a frente das pessoas. Sempre tenha a auto-estima elevada, as mulheres gostam disso. Então, mantenha sempre a postura ereta, pois ombros caídos já demonstram falta de CONFIANÇA e derrota; mantenha sempre a cabeça erguida e olhe diretamente para as pessoas, isso representa CONFIANÇA pura. Fique firme e não se sinta diminuído por nenhum motivo. O segredo sempre foi a CONFIANÇA que você tem em si mesmo.

A aparência é extremamente importante para que a primeira olhada dela para você dure alguns segundos de analise. As mulheres têm a mania de perceber tudo para poder comparar com outros ao redor (É... Elas gostam de comparar...), e posteriormente ver o que mais lhe agrada. Então, mantenha-se sempre bem arrumado, em dia com o cabeleireiro e até perfumadinho de vez enquando. Sua missão é se destacar entre muitos.

Outro ponto que jamais pode ser deixado de lado é a abordagem, pois as mulheres sempre sabem como os homens vão abordá-las e por isso estão acostumadas com frases prontas, rudes, desagradáveis e sem criatividade. Vendo dessa forma, esqueça essas bobagens de “Você vem sempre aqui” ou “O que esse bombonzinho está fazendo fora da caixa??”, isso não é nem um pouco engraçado, sendo ridículo e constrangedor para você e desprezível para quem ouve. Nunca esqueça disso!

Já conseguiu chamar a atenção dela e a tem na sua frente? Não se preocupe demais, mas tenha uma coisa em mente: a conversa é FUNDAMENTAL e o rumo que ela segue, mais ainda. É isso que vai fazer ou não com que ela permaneça “na sua” De forma alguma deixe a conversa se tornar chata, falando sobre trabalho, seus problemas ou sobre você mesmo o tempo todo. VOCÊ é o interessado, está ali para conhecê-la, portanto pergunte sobre ela, deixe-a falar, mas sempre que puder, faça um comentário engraçado, não deixando o tédio tomar conta da situação.

Ainda sobre o rumo da conversa, tem uma coisa que não pode ser esquecida, que é exatamente o que você diz. Não tente ser outra pessoa ou aumentar as coisas, pois ela irá se interessar não por você, mas pelo personagem que criou, e uma mentira por mais que dure um bom tempo sempre é descoberta e as conseqüências sempre são devastadoras. Seja você mesmo!

Mulheres gostam de mistérios, isso é fato, portanto, nunca se revele totalmente e tão rapidamente para ela e faça isso aos poucos e quando for perguntado. As mulheres gostam de descobrir as coisas e quanto mais ela tenta descobrir sobre você, mais tempo ela passa pensando em você e isso gera um interesse muito maior. Afinal, quando o mistério acabar, a sedução acaba e conseqüentemente a graça que ela vê em você.

Seja diferente da maioria! Procure fazer algo que o destaque, como algum estilo de dança, esportes, artes marciais, faça cursos de línguas estrangeiras, se especialize em alguma coisa. Tudo que for a mais do que a maioria, nunca é demais para ter o interesse de quem se gosta. Isso quase sempre gera comentários positivos e INTERESSE.

Se você conseguiu a garota que sempre quis com esses conselhos e com outros confiáveis por ai, é de sua responsabilidade não deixar que a sedução e o ânimo que foi construído com tanto esforço se desintegre como uma estátua de areia no meio de um vento forte. Se conseguiu tudo até aqui pode muito bem continuar tudo como se fosse a primeira vez.

O método de conquista não é um exemplo de ciências exatas, pois estamos lidando com seres humanos, em que o humor e os estado emocional sempre interferem em relacionamentos. Algumas dicas podem ser apresentadas, como foi feito durante todo o texto, mas saber exatamente o que vai acontecer com determinada pessoa, é incerto. Portanto, pegue essas dicas apenas como base para não se sentir tão perdido na hora H. Seja confiante e seja sempre VOCÊ MESMO. Se não der certo, bola pra frente, a vida continua.

Boa sorte! o/

Pedro Maciel.

sábado, 11 de junho de 2011

nAMORar


Todos somos sensíveis ao mundo exterior, uns mais e outros menos, o que nos faz ser o que somos. Percebemos tudo a nossa volta com os nossos sentidos e vivemos sensações por meio deles, mas há algo muito maior do que todos eles e nos faz perder a linha e confundi-los: o amor. O Pensador aproveita essa data tão emocionante e convida você a refletir um pouco sobre o amor e o namoro.

Quando somos crianças, temos outras “prioridades” e não vemos no sexo oposto alguma forma de atração e em alguns casos até mantemos certa distância. Isso é muito comum, pois em um ambiente de diversão, meninos e meninas muitas vezes têm brincadeiras e brinquedos que os separam e aproximam ainda mais os do mesmo sexo.

Os anos passam e crescemos, e junto a todo esse crescimento estrutural cresce também o mental. As brincadeiras que antes nos separavam passam ser substituídas por outras que começam a nos unir e o convívio se torna mais freqüente e normal, levando a uma relação mais forte se propagando ate a adolescência.

Aaaah, a adolescência! Os “aborrencentes” que estão com os hormônios à flor da pele começam a sentir o que antes nunca imaginariam que fossem sentir e aquele(a) garoto(a) começa a se destacar dentre muitos(as) e já é visto(a) com outros olhos. É justamente a adolescência, essa problemática fase da vida, que o namoro esta no auge das preferências das pessoas, e é uma etapa importante e necessária para o desenvolvimento do ser humano. É a atração pelo sexo oposto, acompanhada pelas mudanças físicas, psicológicas e sociais.

Depois desse grande passo que é a primeira palavra, o casal que começa a se relacionar de maneira mais séria começa a ver tudo de forma diferente, começa a mudar certas atitudes, o modo de pensar, a sua postura frente às situações, começa a enxergar prioridades, tudo para que o “processo de namorar” se encaminhe da melhor forma possível e que seja boa para ambos.

O namoro é uma preparação para o que virá no futuro para ambas as partes envolvidas. Nele nos entregamos, mostramos nossas qualidades e os nossos defeitos ficam muito mais expostos e ficamos mais seguros para extravasar nossas fraquezas. É o momento de experimentar novas sensações, entender certas decisões e saber a hora certa de se sacrificar pelo outro. Todas essas situações certamente ajudam a construir o caráter de uma pessoa.

O amor e o namoro não podem ser visto apenas como mais uma simples união que faz parte da vida social de uma pessoa. Percebemos que ele realmente começa quando sentimos que aquela pessoa nos completa e nos causa uns “reboliços” no estômago, como se cada encontro fosse o primeiro e último, um paradoxo realmente indescritível. Queremos transferir à pessoa amada toda felicidade que pudermos, fazer com que tudo seja inesquecível.

Tentamos viver nossa “realidade imaginária” e fazer das nossas vidas uma história direcionada para um lindo final feliz, vivendo cada emoção, sentindo cada palpitação dos nossos corações e dividindo os intensos e inúmeros suspiros acompanhados com o leve fechar dos olhos. O que é sentido só pode ser descrito por aqueles que amam e são amados, compartilhando o enorme amor que sentem de maneira única e especial.

Estamos em uma data bastante especial e aguardada por muitos durante todo o ano, o Dia dos namorados, uma data em que demonstramos o que sentimos para nossos amados. O conselho que eu dou é de não se limitar a datas comemorativas, pois quem realmente ama, deve demonstrar sempre e sempre. Diga palavras sinceras que venham do fundo da sua alma, olhe o/a amado(a) como se fosse uma obra de arte a ser analisada e sorria, transmitindo a sua felicidade, seguido com um forte e demorado abraço. Ame muito.

OBS: Dar presentes é sempre bom, mas não deve ser colocado como prioridade em uma data como essa. Demonstre tudo que você sente e finalize o dia com um bom e looongo beijo.

Feliz dia dos namorados! ^^

sábado, 28 de maio de 2011

“Iaew, me add ai!”



O mundo está cada vez mais moderno e cheio de inovações que facilitam nossas vidas. Além dessas tais facilitações, há também algo que nos garante lazer, momentos de descontração e a possibilidade de interagir sem a interferência da distância. O Pensador convida você a refletir um pouco sobre as redes sociais.

Todos nós, seres pensantes, temos a tendência de nos reunir com outros de pensamentos, idéias e gostos iguais, seja para um simples papo, um trabalho importante ou até uma boa partida de futebol. São exatamente essas semelhanças que fazem acontecer o surgimento desses grupos “isolados”.

O ser humano vive de relações sociais durante toda a sua vida, sendo ela uma necessidade de sua existência. Precisamos nos envolver para nos sentirmos completos e precisamos estar aqui e ali “trabalhando” para participar da vida social de outros e complementar as nossas.

Nós sempre gostamos de nos reunir e divulgar os nossos momentos com amigos e conhecidos, mas antes as pessoas faziam isso com muito mais dificuldades, menor freqüência e não conseguiam contar tudo o que queriam ou gostariam. Percebendo que isso é verdadeiramente importante, vamos dar uma olhadinha e comparar o antes e depois do advento da internet no âmbito dessas relações.

Antes: Quando alguém casava, após a chegada da lua de mel, convidava todos os amigos, normalmente um casal por semana, para conhecerem a casa e para que pudessem ver as fotos do casório e da lua de mel.

Hoje: Os amigos já estão cansados de ver a nova casa através das fotos que os noivos tiraram desde o primeiro móvel que compraram. Todas estão no Orkut. As fotos do casamento também estão em um álbum especial na mesma rede social e conforme o novo casal conhece lugares na lua de mel, também coloca para os amigos, as fotos no Flickr e alguns vídeos no YouTube.

Antes: No nascimento de um filho, as pessoas ligavam para contar a novidade para todos os amigos, os mais próximos iam à maternidade e os demais visitavam após, aproximadamente, o terceiro mês de vida do bebê.

Hoje: No momento do nascimento, o papai tira foto do bebê, insere no blog e twitta com o link para que todos os seus amigos vejam. Ao chegar em casa, os pais colocam para os amigos mais próximos, o bebê na webcam .

Antes: Quando alguém encontrava um amigo que há tempos não via, contava das últimas festas e muitas vezes, omitia alguns detalhes.

Hoje: Até aquele amigo que aparece só uma vez por ano, está atualizado de todas as festas, bebedeiras e afins que estão, ou no próprio álbum do boêmio, ou então nos álbuns daqueles amigos que adoram entregar os outros.

A internet, com toda a certeza, facilitou a vida de todas as pessoas que dela usufruem, mudando muitas vezes até a forma de se relacionar com o surgimento das redes sociais que a cada dia vem sendo aderida por mais e mais pessoas. Mas o que preocupa é justamente essa nova forma que torna os relacionamentos muito mais estranhos e também frrrrios. O que acontece e deve ser analisado minuciosamente é o impacto das redes sociais sobre as relações sociais contemporâneas.

No momento em que criamos um perfil em qualquer rede, divulgamos nossa imagem e podemos conseguir um número infinito de contatos. “Socializar” é o verbo utilizado por muitos. A vida sociável na internet é semelhante à vida real, quanto mais sociável você é, maior será a sua reputação na web.

Devemos analisar que esse verbo “socializar” está cada vez mais banalizado na web e essa possibilidade de ter infinitos “amigos” em nosso perfil abre portas para uma relação indiferente e podemos dizer que também artificial e incompleta. É dessa maneira que podemos perceber como andam os relacionamentos de hoje, e tendo elas – as redes sociais – como uma maneira de aproximar as pessoas, elas aproximam até demais, porém, em sua grande maioria, somente no sentido teórico da palavra, pois grande parte dos “amigos” nem sequer conhecemos.

A necessidade primordial dos usuários de ter milhões de amigos virtuais nessas redes ultrapassou a verdadeira idéia da sua criação e muitos deles se sentem satisfeitos por terem uma quantidade considerável de “amigos” e repudiam aqueles que não têm uma lista tão grande quanto a sua. O simples fato de ter uma determinada pessoa importante ou popular em sua lista dá ao usuário a ilusória sensação de fazer parte da sua vida e saber o que se passa nela.

A vontade de saber sobre a vida do outro e usar as redes sociais para este fim já se tornou bastante comum. As pessoas simplesmente adicionam outras e esperam a resposta, que fica bem mais facilitada com a aceitação dessa solicitação por pessoas que pensam e agem da mesma forma, crescendo ainda mais esse modo errôneo de se relacionar.

Há casos muito perigosos de pessoas que se aproveitam dessa febre do “me add aew!”, se aproveitando a ingenuidade e da irresponsabilidade dos usuários das redes se passando por outras pessoas para conseguirem fotos e informações pessoais para qualquer tipo de ação ilícita, prejudicando inúmeras pessoas. Fiquem atentos!

Outro problema bastante sério é a substituição da vida real pela virtual, que é um fenômeno vem sendo percebido essencialmente por filósofos e sociólogos. Há vários casos pelo mundo de pessoas que não tem uma vida social como nos padrões, por não conseguirem se encaixar em um determinado grupo ou por serem duramente excluídas do convívio dos mais próximos. Vivendo dessa maneira, eles encontram na internet uma escapatória da exclusão, podendo viver e se relacionar da forma como gostariam que fosse na vida real.

Uma das doenças que atingem muitos viciados em internet é o chamado transtorno de ansiedade social, que se caracteriza pelo receio das interações sociais, como, por exemplo, ir à escola, sair na rua, falar em público ou paquerar. A primeira vista, estes sintomas podem ser observados por pessoas bem tímidas, entretanto vai muito além disso e se deve pelo fato do medo dos portadores desse transtorno de receber avaliações, seja de juízo de comportamento, estético ou mesmo de falarem o que pensam.

A crescente detecção deste e demais transtornos em jovens com menos dos 18 anos, mostra que nossos adolescentes estão mais sujeitos a isso, porque a formação da personalidade de grupo se dá justamente nesta fase. Como os nossos jovens estão trocando as conversas pessoais por chats, redes de relacionamento, jogos online e a própria internet, há um vão no desenvolvimento deste fator relacional, o que reflete em adolescentes mais tímidos, com poucos amigos reais, mais consumistas e elevação do número de problemas psicológicos.

Não podemos discordar que a internet é de grande importância para o mundo, mas devemos aprender a manuseá-la de maneira inteligente, não deixando que ela ultrapasse a sua função e deturpe a vida e o convívio social. Saiba que, ter uma lista enorme de pessoas que você nem conhece (a maioria) não vai mudar a sua realidade diária, portanto, se esforce para poder viver bem e para outros dou o conselho de tentar mudar a forma de como se comportar com outras pessoas, você pode estar sendo o criador de novos seres com problemas de relacionamento. E para finalizar, se esforce para desfrutar da sua vida e compartilhar seus momentos com as pessoas, já que não há nada melhor do que uma boa conversa, um abraço apertado ou curtir a vida (REAL).

Pedro Maciel.

Pesquisando...

http://camilasacchi.blogspot.com/2009/04/os-pros-e-contras-nas-redes-sociais.html

http://vivimacedo.wordpress.com/2009/08/28/antes-e-depois-das-redes-sociais/

http://www.tecmundo.com.br/1911-vida-real-x-vida-virtual.htm

sábado, 7 de maio de 2011

STF aprova em votação a união de homossexuais


No encontramos em uma semana de grande importância nas relações sociais e nos direitos humanos, onde foi marcada pela igualdade como cidadão. No dia 5 de maio de 2011, o Supremo Tribunal Federal reconheceu oficialmente os direitos dos casais homossexuais que vivem em união estável.

Por unanimidade os ministros entenderam que casais homossexuais estáveis têm os mesmo direitos e deveres perante a legislação brasileira quanto os casais heterossexuais. Com essa decisão, eles têm a partir daí direito a pensão, aposentadoria, inclusão em planos de saúde, além de todos os direitos familiares, como a adoção de crianças.

Demos um grande salto para o que chamamos de cidadania pela, onde direitos e deveres não são regidos pela escolha afetiva de uma pessoa, sendo ela capaz também de cumprir com suas responsabilidades e receber benefícios por seus feitos e trabalhos.

No julgamento das ações do Governo do Estado do Rio de Janeiro e da Procuradoria Geral da República, o procurador Roberto Gurgel defendeu o reconhecimento da união homossexual como uma entidade familiar. Representantes da sociedade civil também se manifestaram, a maioria a favor.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) foi contra: “Aqui não se trata de dizer ‘Sou contra’ ou ‘Sou a favor’ de alguma coisa. Aqui se trata de dizer: ‘É ou não é constitucional’”, disse Hugo Cysneiro, advogado da CNBB.

Durante o processo de votação houve vários argumentos feitos pelos ministros que mostrarei agora:

“Aqui, o reino é da igualdade absoluta, pois não se pode alegar que os heteroafetivos perdem se os homoafetivos ganham. Quem ganha com a equiparação postulada pelo homoafetivos? Os homoafetivos, muito bem. E quem perde? Ninguém perde. Os heteroafetivos não perdem e a sociedade não perde”, declarou o ministro Ayres Britto.

Qual é a pretensão, que se confira juridicidade a essa união afetiva, para que eles possam sair do segredo, para que possam sair do sigilo, para que possam vencer o ódio e a intolerância em nome da lei”, discursou Luiz Fux.

“Aqueles que fazem opção pela união homoafetiva não podem ser desigualados em sua cidadania, inclusive. Ninguém pode ser de uma classe de cidadão diferente, inferiores, porque fizeram uma escolha afetiva e sexual diferente da maioria”, afirmou a ministra Carmem Lúcia.

A partir desse momento com a decisão do Supremo Tribunal Federal, todos os outros tribunais deverão seguir a lei e os casais homossexuais passam a ter os direitos que antes estavam fora de alcance. O Brasil apesar de suas vergonhas vem mostrando que pode crescer também em outros quesitos. Damos um grande passo para um futuro bom para todos.

Pedro Maciel.

Você concorda com essa decisão do STF? Comente!

Pesquisando...

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/05/stf-tem-votacao-unanime-favor-da-uniao-de-homossexuais.html